pergola canalfotofotofototopopinacotecaorquidarioorqemissariootakeleaobolsaingacopa

Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

Rating: 2.7/5 (1772 votos)




ONLINE
1





--------------------------------

Visitantes até o momento:


O mais santista dos colégios
O mais santista dos colégios

tit

 

Honorato, Odorico, Ari, Geraldo, Antônio, Demetrio, Norberto, Eurico,Paulo Gaudêncio

Mateus, Paulo Nestor, Leopoldo, Salvador, Cornélio Leão, Cipriano, João Rodrigues, Valdemar

Celestino, Evaristo Emílio, Martorelli, Bension, Cristóvão, Roque,Paulo Horneaux, ten.Barreto, Lauro

Creio que em meio aquela urbe masculina o que mais me seduzia eram  os campos. Campos de futebol. Eram tres campos que tinham até nome : o campinho, o campo e o campão. Havia outros atrativos como aquela bola presa na corda que tinha de ser enrolada no poste e mesas, muitas mesas de ping-pong. Acho que todos os “irmãos” como chamavamos os irmãos maristas pareciam jogar ping-pong. Devia ser a adrenalina e os hormônios a flor da pele como nós. Espantava-me ver a bola desaparecer no meio do jogo de repente. Os irmãos de brincadeira a escondiam debaixo da batina.

O colegio masculino tinha certas particularidades. O banheiro público aberto e aquela fila de urinóis exposta no meio do pátio. Lembro da cantina sempre tão procurada. A cantina era democrática. O cachorro quente que nos deixava na torcida para vir com duas salsichas e sempre depois o picolé de groselha feito ali mesmo, redondo ou quadrado e comprado com passe de bonde. Sempre chegava cedo com vários colegas porque vinha no onibus do colégio que era conhecida como “a charanga”. Quem não gostava  e chiava com o apelido era o motorista baixinho, careca e barba cerrada, o irmão Ari. Era motorista e mecânico sempre  "mexendo no motor da charanga. Lá íamos nós, carregando a mala de couro (ninguém tinha mochila), lancheira, disputando "uma janelinha".

Cada irmão tinha sua função, mas todos davam aulas. Sempre um era o titular, uma espécie de diretor da classe. Havia um aluno que era o representante de classe. Um que puxava a oração, pois a fazíamos em toda aula.  Não havia muita preocupação com pontos, matérias e livros.  Tudo estava determinado e eram todos da editora dos irmãos comprados na livraria do lado da cantina. O irmão-livreiro e que também cuidava da cantina era o irmão Eurico. Ocupava aquela sala abarrotada de livros ao lado da sala da banda.

A banda era o charme do Santista. Situado estrategicamente próximo ao Coração de Maria, ao Liceu Feminino, ao Conservatório era o seu ensaio para as paradas o sinal para que as meninas viessem observar os rapazes desfilando e tocando surdos, pistões, pratos e caixas ostentando pulseiras de prata com nomes gravados como era o costume. Os espelhos ficavam congestionados para os jovens a tentar reproduzir o topete de Paul Anka.

Tanto futebol, tanto ping-pong era preciso organização. O GSL – Grêmio São Luiz teve seus dias de glória. O azul e branco teve cores, bandeira, camisa, profissionais e amadores. Enfrentou Tarquínio, Marçal e até seu super-arqui-inimigo o Carmo. Jogamos damas e xadrez naquele porãozinho que era a sede debaixo do anfiteatro onde cantavamis o Hino Nacional e Deus salve a America sob a batuta do João Rodrigues "Serenata".

O irmão Geraldo Constant era o diretor do Grêmio São Luiz, porem seu hobby mesmo era a fotografia. Era o irmão-fotógrafo com todas as honras. Durante as paradas de 7 de Setembro, nas formaturas, nas solenidades do dia das mães, nas festas juninas, nos campos de futebol durante as pelejas do GSL e do Santos também lá estava ele. A batina preta não atrapalhava o religioso de joelhos, não para rezar, mas sim para capturar uma imagem na mágica Rolleiflex na visivel satisfação de eternizar o momento. O Geraldo era a memória do Santista. Geraldão, aquele religioso alto chamava a atençãoo e certa vez o jornal A Tribuna flagrou seu trabalho, publicou sua foto de câmara em punho falando da "figura que já nos acostumaramos a ver em campo".

O Geraldão tinha seu laboratório e suas químicas no temido 3º andar do prédio novo. Temido porque era terminantemente proibida a subida e permanencia de alunos no terceiro andar onde se encontravam os aposentos e o refeitório dos irmãos. A oficina e  marcenaria se localizava no segundo andar e uma das suas ocupações era o corte de raquetes de madeira para ping-pong, muito disputadas nos campeonatos que se desenrrolavam no Grêmio e na Congregação Mariana que tinham mesas oficiais.

A Congregação Mariana, o Santista era um colégio religioso embora franqueado a todos, uma instituição de carater religioso era dirigida pelo Pe. Paulo Horneaux de Moura o orientador religioso do colégio. Uma figura profundamente humana de posições liberais,renovadoras e muita vezes não aceitas na época. Filósofo, psicólogo da alma humana e totalmente dedicado aos jovens além de sambista e criador da escola de samba que leva seu nome foi um professor de vivência para todos.

O mes de Maio revestia o pátio de flores e alunos homenageando as mães com cânticos e músicas que a banda tocava. O mes de Junho trazia a festa junina e o grande baile da  quermesse marista que trazia as meninas dos colégios femininos.

Eles eram os "civis". Professores que não eram "padres" e estavam ali para dar uma mãozinha. Além do João "Serenata" o rígido Tenente Barreto regia a educação física. Os desfiles eram o momento de trocar a farda caqui prlo vistoso uniforme branco bem próximo a Marinha, com direito a quepi, espadim e divisas, uma herança do orgulho nacional pelos pracinhas e sua atuação no conflito mundial.

O Roque era um bedel, um faz-tudo que controlava campainha e portão. Ficou no colégio até a aposentadoria foi famoso e um patrimônio do mesmo. Conhecia  a história do colégio como poucos.

Tinhamos ali o material da aprendizagem e da cidadania para seguir, independente dos quadros de honras e medalhas, com educação, conhecimento e honestidade

Nós da época que te vivenciamos por tantas e tamanhas razões, trazemos em nossa mente as lições que nos destes, as linguas , os sentimentos de conhecimento da apologética do Criador , as músicas que cantamos e ouvimos, as ocasiões especiais que reverenciamos neste nosso tempo, Ensinastes tanto. Creio que fizemos por merecer. Obrigado a todos por tudo.



 

 

 

Voltar navback

 


George Gershin toca Someone to look over me

 

 

 

 

topo